Quem é o Eu Sou? 9 – Um Deus que respeita sua criação.

Recentemente li um artigo que me chamou a atenção pelo comportamento inusitado que descrevia: Os homens japoneses estavam cada vez mais substituindo o relacionamento com mulheres reais por bonecas de silicone super realistas. A essas “mulheres”, os proprietários dedicam tempo, compram joias e levam para passear, por outro lado, tem a liberdade de ter “relações” quando quiser e nunca se sentem rejeitados. Segundo um dos adeptos dessa prática, a razão para tal escolha é que as mulheres japonesas “possuem um coração duro e são egoístas”. O que você pensa sobre esse  “relacionamento”? Não é falta de respeito com a “mulher” de silicone usá-la da forma e quando quiser? Não estariam os homens que aderem essa prática desvalorizando o relacionamento real ao evitar os riscos e sacrifícios que este exige? Por que não levantarmos a voz em defesa do respeito e da valorização das bonecas japonesas? Simples, porque elas são bonecas! Como bonecas, não pensam e não sentem, e deste modo, não faz sentido falar em respeito ou valorização. Por outro lado, caso esse mesmo tratamento fosse aplicado a mulheres reais, com certeza haveria uma série de manifestações de repúdio e protestos. Estaria óbvio que mulheres não podem ser tratadas dessa forma, mas pelo contrário, devemos respeitá-las e valorizá-las como seres pensantes e dotados de liberdade. Esse é o ponto chave, Deus faz isso conosco, nos respeita e valoriza.

Ao nos criar, Deus dotou-nos de características que refletem as suas. Somos seres livres e pensantes, sendo que essa última significa sermos capacitados a avaliar, ponderar e decidir. Enquanto que a liberdade nos dá o direito de seguir o caminho que preferirmos. Essas duas faculdades são essenciais para a felicidade do ser humano em todas as suas relações. Por exemplo, sem a liberdade de poder rejeitar um relacionamento, uma mulher, ou um homem, não poderá experimentar em sua plenitude o significado de ser escolhido para ser o amado companheiro de alguém. Por vontade de Deus, somos seres livres e pensantes, portanto capacitados a escolher, e como consequência, podemos escolher o mau ou o bem. Desde nossa origem divina, já fomos respeitados por Deus. Veja, por exemplo o texto: “E o Senhor Deus ordenou ao homem: “Coma livremente de qualquer árvore do jardim, mas não coma da árvore do conhecimento do bem e do mal, porque no dia em que dela comer, certamente você morrerá“. (Gn 2:16,17). Apesar de ser uma ordem, ainda estava facultado ao homem, logo após sua criação, a possibilidade de pensar e escolher um caminho diferente daquele que Deus o ordenou. A prova da efetiva possibilidade de escolha foi que escolhemos o caminho errado. E após isso, estamos hoje não mais completamente livres, mas subjugados por um estado de insegurança, e por consequência, egoísmo, que culmina em um estado de infelicidade, pois seres feitos para amar não podem ser felizes em egoísmo.

O pecado, no sentido de rompimento com Deus, esfacelou e enfraqueceu nossa liberdade. Entretanto, não somos deixados a deriva para sermos levados pelas ondas revoltosas da vida. Deus não nos abandonou! Mesmo que tenhamos escolhido outro caminho, como um ser que nos ama, respeita e valoriza, o nosso estado de felicidade incompleta é o problema mais importante que Deus tem para resolver. Aquele que é Amor, nunca deixa de Amar!

Como seres pensantes e livres que somos, Deus não pode nos tratar como as bonecas japonesas super realistas são tratadas. Não dá para construir um relacionamento como esse conosco e chamar de amor. Não podemos ser forçados, de qualquer maneira que seja, a amá-lo. Por causa disso, Deus enfrenta uma questão muito complicada: Como conquistar o amor de seres livres? É nesse momento que o senhor de todo universo dá mais uma demonstração de respeito e valorização a sua criação. Além de respeitar nossa natureza e liberdade, Deus desenvolve um plano para nos conquistar. Um dos membros da trindade aceita reduzir-se a forma de seres criados a fim de apresentar o seu caráter verdadeiro, sem representações intermediárias defeituosas, e reconquistar o nosso amor e confiança. É preciso lembrarmos, que esse amor e confiança foram perdidos quando nós, não ele, escolhemos seguir outro plano. Por essa razão, o próprio ato de Deus nos buscar, quando nós somos os únicos responsáveis pela nossa infelicidade, é uma gigantesca prova de valorização.

Através de Jesus temos a oportunidade única e exclusiva de conhecer o mais importante a respeito do autor da vida e do universo, o seu caráter. Dessa forma, o cristianismo, não apenas apresenta um Deus que criou os seres do universo com tal valor que lhes concedeu a liberdade de pensar e agir, bem como demonstrou esse mesmo valor ao nos buscar e se adaptar ao nosso limitado campo de visão afim de o conhecermos de verdade e assim desejarmos amá-lo a ponto de confiar novamente nele.

Sendo assim, não seria um desrespeito esquivar-se de tão grande demonstração de amor? Mesmo que, no fim o rejeitemos, deveríamos dar a oportunidade de ele se apresentar a nós. Lendo a carta de amor que Deus deixou em sua palavra e conhecendo o seu filho podemos saber como ele verdadeiramente é. Tal como Jesus mesmo declarou, através do Filho podemos conhecer o Pai.

Jesus respondeu: “Você não me conhece, Filipe, mesmo depois de eu ter estado com vocês durante tanto tempo? Quem me vê, vê o Pai. Como você pode dizer: ‘Mostra-nos o Pai’?“(Jo 14:9).

Não apenas lendo, mas buscando sinceramente conhecê-lo, podemos então decidir se queremos ou não fazer parte dessa família!

 

Um comentário Adicione o seu

Deixe uma resposta