Quem é o Eu Sou? 13 – Um Deus que é paciente com nosso crescimento

Queda do analfabetismo fica estagnada no país, aponta pesquisa do IBGE | Diário de GoiásQuando jovem, uma das razões de achar a sala de aula um lugar monótono para aprender  era a velocidade com a qual costumava entender os assuntos. Em geral, eu compreendia a mensagem do professor muito rapidamente e já esperava que prosseguisse para o próximo nível. No entanto, o professor acabava por repetir o assunto, usando outras estratégias didáticas, para auxiliar a compreensão de outros alunos que, mesmo se esforçando, ainda não tinham entendido corretamente. Esse processo lento e gradual de aprendizagem da turma, resultante da diferença na velocidade de processamento e compreensão entre nós, me fazia achar a aula muito desestimulante. A meu ver, o professor deveria seguir em frente e avançar, e os outros alunos é que deveriam se esforçar mais para acompanhar. Nada mais do que uma tola e egoística visão da juventude. Mas a grande lição que eu precisava receber ainda estava por vir.

Quando entrei no doutorado, aos 32 anos, pude experimentar a posição contrária a que sempre tive, pois agora era o aluno de lenta compreensão. Tendo como colegas garotos bem mais jovens e muito melhor preparados, eu não tive a menor chance de acompanhar as aulas no ritmo que eram apresentadas. Foi quando aprendi duas lições fundamentais: A primeira, que mesmo se esforçando ao máximo você pode não compreender os assuntos com facilidade. Ou seja, enquanto outros necessitam apenas de uma hora para entender, você pode precisar de três ou mais. A outra lição, a qual me motivou a trazer essa história a vocês é de o quanto precisamos de professores compreensivos, não para passar a mão sobre a cabeça nos aprovando sem estarmos prontos, mas para reconhecer nossas dificuldades e criar estratégias específicas para o aprendizado. Pois bem, Deus é exatamente assim!

Deus trabalha em nossa vida no devido tempo necessário, nem com atraso, nem com pressa. Ele é paciente com o nosso progresso, submetendo a si mesmo a nossa curva de aprendizado. Da mesma forma como precisamos confiar no professor que nos guia no processo de aprendizado, é fundamental que tenhamos suficiente fé em Deus para colocarmos em suas mãos nossa vida e ser moldados por Ele. A Bíblia destaca que Cristo é “o autor e consumador de nossa fé” (Hb12:2), sendo assim é Deus que faz a obra de nos reeducar para seu reino vindouro. Esse é um processo longo e gradual o qual Deus tem prazer em iniciar e finalizar, como é bem descrito em Filipenses, “Estou convencido de que aquele que começou boa obra em vocês, vai completá-la até o dia de Cristo Jesus. ” (Fp 1:6). Portanto, nunca pense que você é quem deve assumir sozinho as rédeas de sua cura e preparação para o Céu, esse trabalho é dirigido por Deus. Nossa contribuição consiste em exercer a escolha de estar em sua presença seja quais forem as circunstâncias.

A importância de exercermos a escolha pode ser ilustrada por um aluno que resolve não estar na escola, nem mesmo o poder criador do universo é capaz de transformar um coração que não escolhe se deixar ser regenerado. Mesmo sendo infinitamente poderoso, Deus não passa por cima de nossa vontade para nos salvar. É a fé em Deus, a permissão necessária para que possa atuar em nossa vida e preparar o nosso caráter para estar no céu. Quando sua vontade se alinha com a vontade de Deus, Ele será paciente para recriar em você o caráter dEle.

Estamos sempre sendo modificados, nunca continuamos os mesmos, cabe a você escolher quem quer como professor. Eu escolhi um professor paciente e atencioso, o meu Jesus, e nunca me arrependi disso. Experimente também!

Inspirado no livreto: “Fundamental Focus” produzido pelo ministério americano “Genesis Road” .

Deixe uma resposta