Quem é o Eu Sou? 11 – Deus submete a si mesmo a avaliação.

Resultado de imagem para questionamento Deus

 O dia de receber o resultado da prova chega, e você ansiosamente aguarda o professor entregar sua nota. Por outro lado, você está tranquilo porque, além de ter estudado, a prova foi relativamente fácil. Portanto, a nota positiva era uma garantia. Só falta confirmar!  Mas, após alguns nomes, você recebe sua prova e fica em choque com a nota baixa que recebeu. Imediatamente faz uma análise minuciosa da prova para verificar onde errou. Em seguida mais uma surpresa: não houve erro! foi o professor que interpretou erradamente suas respostas. Resta agora buscar a correção do erro. Porém, quando está prestes a se levantar para arguir o professor, vem à memória histórias que ouviu a respeito da perseguição que o referido professor teve com alunos que questionaram sua correção de prova.  Sendo que a fama de ser alguém que não tolera questionamentos a respeito de suas provas é enorme, será que vale à pena pedir reavaliação? É melhor não! Após refletir, sua decisão é trabalhar para não correr o risco de ser mal interpretado da próxima vez.  Mesmo sendo apenas uma ilustração, você pode imaginar como seria ter um professor autoritário que não aceita qualquer questionamento? Como você definiria esse professor? Gostaria de se relacionar com ele? Se pudesse decidir, o escolheria como professor novamente? Muitos de nós enxergamos a Deus dessa mesma forma, como alguém com quem não podemos dialogar ou até questionar. Mas saiba que Deus não é assim, e nem poderia ser.

Em vista do tipo de relacionamento que Ele deseja construir com os seres criados, a liberdade é um princípio universal necessário para Deus. E em decorrência dessa liberdade, Deus precisa apelar para nossa razão a fim de conquistar nossa confiança. Dessa maneira, Sua postura, em vez de impositiva e ditatorial, é mostrar-nos sua vontade e permitir que possamos conversar, e até questionar, o caminho proposto. Veja por exemplo o caso de Abraão: Quando Deus revelou seu objetivo de destruir completamente as cidades de Gomorra e Sodoma, e seus respectivos habitantes, Abraão questionou: “Longe de ti fazer tal coisa: matar o justo com o ímpio, tratando o justo e o ímpio da mesma maneira. Longe de ti! Não agirá com justiça o Juiz de toda a terra? ” (Gn 18:25). De forma alguma Deus o repreendeu por pensar que esse não era o caminho certo, mas prosseguiu em um diálogo explicando ao patriarca hebreu que se houvesse apenas alguns justos nas cidades Ele não as destruiria. Deus não só preserva a liberdade de Abraão, bem como aceita mais três repetições do mesmo questionamento. Outro diálogo interessante foi entre Deus e Jonas (Jn 4), curiosamente em um contexto inverso. Nesse caso, Deus decide por salvar uma nação que havia se arrependido após ser avisada pelo profeta que Deus estava prestes a destruí-la. Em vista dessa salvação Jonas, irado, questiona o Senhor por agir com misericórdia. E Deus, em vez de pedir o silêncio estabelece um belo diálogo, repleto de demonstrações didáticas, para explicar o seu direito e suas razões por tomar essa decisão. Em vez apenas de reprimir, Deus dialoga.

Deus de forma alguma reprime nossa liberdade de argui-lo, pois precisa que sejamos livres para obter o que Ele mais deseja, o nosso amor. Por isso se abre ao escrutínio, permitindo questionemos sobre sua sabedoria, autoridade e caráter. É certo que muitas vezes as respostas não são da forma como queríamos, ou mesmo não são dadas. As razões podem ser variadas. Por exemplo, podemos ter uma compreensão limitada do contexto e, por isso, estarmos incapacitados para entendermos. Ou, às vezes, Deus julga que o melhor é não sabermos a resposta naquele momento. Mas em nenhum momento o questionamento sincero é reprimido.

Ao contrário de ditadores como Hitler, Mussolini e Hussein, que não toleravam questionamentos de seu governo, Deus se coloca a ser avaliado e conhecido intimamente por sua criação. Deus não só não afasta o questionador mas se coloca ao lado do sofredor e angustiado por respostas para lhe prover o necessário para seu alento. Outro exemplo mais atual foi o caso do jornalista estadunidense Lee Strobel, um ateu extremamente avesso ao cristianismo, que, ao descobrir a conversão da esposa, se propôs usar suas habilidades de jornalista investigativo para demonstrar a “farsa” do Cristianismo e resgatar sua esposa do erro. Entretanto, Deus, em vez de rejeitar seus questionamentos, pacientemente o mostrou as repostas que precisava e, como consequência, Lee Strobel se rendeu ao amor de Deus, (essa história é descrita pelo filme “Em defesa de Cristo“).

Portanto, as nossas indagações e perguntas sinceras serão sempre bem-vindas à Deus, pois ele está de braços abertos a ser conhecido e investigado. Podemos, e devemos, nos aproximar Dele com a mente aguçada para a investigação e Ele está pronto para nos auxiliar como for o melhor para encontrarmos a fé e a confiança que precisamos.

Deus está pronto para responder.E você, está preparado para suas respostas?

Conheça, pense sobre e avalie Deus. Então, se apaixone!

Inspirado no livreto: “Fundamental Focus” produzido pelo ministério americano “Genesis Road” .

Deixe uma resposta